domingo, 3 de junho de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Anúncio dos anos 40-50 do séc. XX do estabelecimento comercial "Fonte da Alegria" que existiu no local onde actualmente funciona a Cervejaria Farol, em Cacilhas. Foi propriedade inicial de J.Alvarez como Casa de Pasto, depois de  Joaquim Mendes e José Pinto Gonçalves, tendo este posteriormente adquirido a parte de Joaquim Mendes. Em 1961 Carlos Alberto Pinto Durão, neto de José Pinto Gonçalves, adquiriu a casa e a firma e abriu a Cervejaria Farol que manteve em funcionamento até Dezembro de 1974, quando vendeu aos actuais proprietários.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

No portão nº 3-A, em frente da Incrível Almadense na Av. Heliodoro Salgado, que vê à direita na fotografia ( actual ), funcionou na segunda metade do séc. XX o estabelecimento e armazém de ferro velho  - compra e venda de toda qualidade de mobílias e sucata - de Raul Ferreira Branco, mais conhecido em Almada por Raul "Ferro-Velho".

domingo, 27 de maio de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Imagem de parte da assistência à missa celebrada por S.Exª  o Arcebispo de Mitilene, na garagem da Beira-Rio na Cova da Piedade, quando da vinda da imagem de Nossa Senhora de Fátima ao concelho de Almada em 1963.
Reconhecem-se na fotografia João Zagalo e Melo, o Vice-Presidente da Câmara Municipal, António Zagalo e Melo e o Presidente da Câmara Municipal de Almada Dr. José Valeriano da Glória Pacheco, o civil de óculos à direita do oficial do Exército.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Gente de Almada, Gente Que Viveu Almada

Rotários almadenses em fotografia da segunda metade do séc. XX. O 1º a partir da esquerda é o Dr. Luís Álvaro, o 2º é João Costa Artur que tinha armazém de mercearia em Cacilhas próximo do local onde está actualmente o burro em ferro e o 5º é  Rodrigo António Zagalo e Melo.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu Almada

Rosto da bolsa em papel para fotografias da Fotarte - uma loja dedicada à fotografia - que existiu na ex-Av. de D. Afonso Henriques. Este estabelecimento era de um ex-trabalhador da Fotal, que deixou de trabalhar para o Faustino Fernandez Pombar e decidiu abrir uma loja concorrente dentro da cidade.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Vive Almada

Organizado pela Universidade Sénior Unisaber, de Lisboa, realizou-se esta tarde um passeio guiado ao Ginjal, para gente de Lisboa, em que foi cicerone Luís Filipe Bayó Veiga .

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Coisas de Gente Que Vive Almada

 
Luís Filipe Bayó Veiga, cacilhense e  membro da SCALA, recorrendo aos seus arquivos na matéria, realiza no próximo dia 12 de Maio pelas 16 horas mais um evento cultural que certamente despertará o interesse de muitos de nós e especialmente  dos amantes e fans da banda desenhada.

terça-feira, 1 de maio de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Depois da passagem da manifestação do 1º de Maio de 1974 em Almada, os almadenses tiveram a oportunidade de ver e ouvir a actuação da Banda da Armada desde a Praça da Renovação, descendo a Av. de D. Afonso Henriques até à Praça de Gil Vicente.
Nessa data o prédio onde está o "Faraó" ainda estava em construção e já se anunciavam aí as futuras instalações do Banco Português do Atlântico - depois virou BCP e Millennium - que se encontravam no lado oposto, onde hoje existe uma operadora de telecomunicações.
Como se vê na foto, na data ainda não estavam construídos todos os prédios do lado esquerdo no sentido ascendente da Av. de D. Nuno Álvares Pereira.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Aspecto da frente da manifestação, que se realizou em Almada no dia 27 de Abril de 1974, de apoio ao Movimento das Forças Armadas de 25 de Abril de 1974 (à Junta Militar e ao «Socialismo», segundo a convocatória popular afixada na parede exterior do Café Central em Almada). Também foi apelidada de "Marcha da Alegria". Esta manifestação teve início em concentração na Cova da Piedade às 16 horas.
A fotografia foi captada na ex-Av. D. Nuno Álvares Pereira frente ao Café Condestável que ficava à esquerda.
À direita vê-se um autocarro de transportes públicos da empresa Transul e um pouco mais adiante, o prédio onde estava localizada a agência do Banco Borges & Irmão.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Anúncio de 1959 da  Fábrica Nacional de Relógios Monumentais  "A Boa Construtora" de Manuel Francisco Cousinha & Filhos, que existiu em Almada, na Rua Capitão Leitão frente à Academia Almadense.
Esta fábrica que "dava horas a Almada" foi uma referência da vila. Encerrou pós 25 de Abril de 1974, mas deixou relógios pelo território nacional em muitas torres, campanários, igrejas e edifícios públicos.
O prédio onde funcionou a fábrica já foi vendido.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Cacilhas respeitava o ambiente em Março de 2007 com estas duas edificações em ruínas, mas naturalmente ornamentadas, com vegetação espontânea. Ficavam na Rua Comandante António Feio.
 

domingo, 8 de abril de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Imagem parcial da zona da Cova da Piedade no final da década de 60 início de 70, em que se vêem fumos, empurrados por vento de leste, das indústrias corticeiras que então laboravam nesta freguesia.
A área das Barrocas está escondida pelos fumos. 

domingo, 1 de abril de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

 
 
Américo Carvalho dos Santos, o Américo "da Estância", pois era assim conhecido na vila de Almada, tinha a sua loja/armazém mais ou menos a meio do troço da Rua Bernardo Francisco da Costa, entre a Rua José Fontana e a Av. Heliodoro Salgado, nas décadas de 50, 60 e início de 70 do século passado.
Este comerciante almadense fazia parte do grupo de pessoas que regularmente nas manhãs dos dias úteis, por volta das  9 horas, se juntavam para tomar a bica no antigo Café Central, com o então presidente da Câmara Municipal de Almada, o Dr. José Valeriano da Glória Pacheco e com o funcionário da CMA Engº Macieira Dias.
O anúncio é de Dezembro de 1965.

quarta-feira, 28 de março de 2018

Coisas de Gente de Almada

No passado Domingo 25 de Março de 2018 pelas 17h 30m o almadense Carlos Feio apresentou no Edifício Chiado na Rua de Cascais 57, em Alcântara - Lisboa, o seu livro "Nos Limites Ou Mun", perante uma sala cheia de pessoas.
"Carlos Feio nasceu em 1962 em Cacilhas. Licenciado em Engenharia Civil no IST em 1986, desde cedo tomou gosto pelo trabalho fora do território nacional, com passagem por Moçambique, Macau e Angola. Esta triangulação entre continentes deu-lhe as experiências necessárias para escrever este primeiro romance."
 
"Macau território que vê crescer a sua terra há mais de um século a esta parte, prepara-se para mais uma expansão que catapultará de uma vez por todas o pequeno território para a cena internacional em todas as vertentes desportivas e de entretenimento, entrecruzando-se de uma forma megalómana a imaginação com a realidade.
Esta oportunidade faz com que o empresário mais proeminente do território na compra de terrenos, o doutor Daniel Sousa, se posicione no lugar da frente para mais um leilão de terras que o poderá levar à reforma antecipada.
Nos últimos anos com o despertar do território os grandes empresários da China continental são atraídos para ele, dificultando o jogo montado pelo empresário Macaense.
Jogo, prostituição, droga e álcool abundam no território assim como os amores e ódios da vida humana. Estes são os ingredientes que contribuem para o desenrolar da ação alucinante, de mais um dia de negócios, envolto nas multifacetadas culturas existentes."
 
(transcrições da orelha esquerda e contra-capa do livro)
 
Carlos Feio é sobrinho-neto do cacilhense  Jaime Feio.

sábado, 24 de março de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Charcutaria Pinguim, existiu em Almada nos anos 50 e 60 na Rua Bernardo Francisco da Costa. Ficava antes da antiga Fotal, depois de se passar o início da actual Rua José Fontana, vindo da Praça Gil Vicente.
O anúncio é de 1959.

quarta-feira, 14 de março de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Outra imagem da Av. Bento Gonçalves próximo ao Centro Sul, na versão original - sem vias férreas - e com três faixas de rodagem em cada sentido.

sábado, 10 de março de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Imagem parcial, no início da década de 50, de terrenos da Quinta do Pombal e em fundo da Cova da Piedade (zona industrial) e Arsenal do Alfeite.

terça-feira, 6 de março de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Construções antigas do Ginjal no ano 1970, antes do acesso às escadinhas. Em primeiro plano o edifício com as duas janelas é onde actualmente está o restaurante "Atira-te ao Rio".
No topo da fotografia vemos o miradouro Luís de Queiroz.

domingo, 4 de março de 2018

Coisas de Gente Que Viveu e Vive Almada

Finalistas de 1965 (7º Ano) do Externato Frei Luís de Sousa, em Coimbra no Penedo da Saudade. Fotografia tirada por José Carlos Gouveia Pereira.
Estão nesta fotografia: Luisa Castelo Valente, Madalena Mira Brás, Maria Antónia Baptista, Lourdes Poeira, Maria João Lemos Correia, Carlos Martins, Eurico Marques, Raúl Agostinho.

sexta-feira, 2 de março de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Anúncio da Câmara Municipal de Almada de 17 de Maio de 1959, no Jornal de Almada, para uma empreitada de reparação do edifício dos Paços do Concelho, na Praça Luís de Camões.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Aspecto parcial da Rua Manuel Febrero  em Mutela, Cova da Piedade, há 40 anos. Uma zona de Almada que se apresenta ainda degradada por não ter sido intervencionada em tempo oportuno.
À esquerda vemos o portão, com cor vermelha, de entrada para a Mecânica Piedense, Limitada que tinha o nº 120 da rua, no Largo de Mutela.
A Mecânica Piedense , Fábrica de Serração e Carpintaria - madeiras nacionais e estrangeiras em tosco e aparelhado, materiais de construção - drogas e ferragens, tinha o telefone Almada - 070182.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada



 
"Casa Faísca" uma pequena loja que foi referência em Almada nos anos 56 e 60 para quem tinha um receptor de rádio a necessitar de conserto. Ficava entre entre as escadinhas da Rua Capitão Leitão  e a Escola Conde de Ferreira. O Café Atlético mencionado no anúncio, tem agora o nome "Barca D´Alva.
Quem se lembra?

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Cacilhas, no local do Largo Costa Pinto, em finais do século XIX com o Farol à direita.
O edifício do Café Progresso, na imagem ao centro-direita, deu lugar no séc. XX a outra construção de r/c e primeiro andar e ao Café Continental.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Gente de Almada, Gente Que Viveu Almada

O Dr. José Maria Roque Lino foi um dos fundadores do Partido Socialista. Faleceu no dia 16 de Novembro de 2017 com 79 anos.
Roque Lino, não era natural de Almada mas residiu e viveu em Almada, ele e família. Foi no Café Central de Almada durante a segunda metade da década de 60 que ele estudou e se preparou para os exames e tirar o curso de Direito, licenciando-se em 1970. À mesa do café e de estudo tinha geralmente por companhia o cunhado Celestino Cabanas Bento, que estudava igualmente Direito e se licenciou seguindo este a carreira de juíz, reformando-se como Juíz Desembargador no Tribunal da Relação de Lisboa.
Nesses anos 60 conversámos muito à mesa do Central com ele, o seu irmão António, mais novo e o cunhado. Muitas das conversas eram de abordagem política e social.
O Dr. Roque Lino, está sinalizado na fotografia supra dos fundadores do Partido Socialista em 19 de Abril de 1973 na cidade alemã  de Bad Münstereifel, fundado a partir da Acção Socialista Portuguesa a que aderira em 1971.
Começou a escrever no jornal República em 1971, segundo nos disse a convite de Urbano Tavares Rodrigues. Escreveu depois em outros jornais: A Luta, Portugal Hoje, A Capital e Diário de Notícias.
Em 1973 foi Delegado ao 3º Congresso da Oposição Democrática realizado em Aveiro
Foi membro da Comissão Nacional de Eleições em 1976 e em 1977 foi Secretário de Estado da Comunicação Social do II Governo Constitucional.
Após o 25 de Abril de 1974 perguntámos a um militante do Partido Socialista em Almada pelos Drs Roque Lino e Alexandre Pires e como ia então o PS em Almada face ao período conturbado do PREC. Respondeu dizendo: "Já corremos com os Drs"!. Resta acrescentar que esse militante trepou política e socialmente e os Drs de facto haviam-se eclipsado das lides políticas neste concelho.
O Dr José Maria Roque Lino era natural da freguesia de S. Vicente da Beira, concelho e distrito de Castelo Branco.
 
Uma coincidência de dia e mês: O Dr. Roque Lino, enquanto Secretário de Estado da Comunicação Social foi exonerado, a seu pedido, devido a uma situação criada por um funcionário da SECS. A exoneração teve efeitos a partir da data da publicação do  Decreto em Diário da República 16-11-1977. Morreu 40 anos depois a 16-11-2017 na sua residência em Loures.
Só hoje tivemos conhecimento do seu falecimento.
 
A fotografia foi retirada da internet

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Programa (desdobrável) das Festas do Carnaval de 1959 da Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense.
Estes programas de festas carnavalescas nas colectividades do concelho eram sempre muito esperados e concorridos não só pelos associados e familiares mas também por outros almadenses. Os salões das colectividades enchiam-se, principalmente nas "matinées" de Domingo e Terça-feira, bem como nas "soirées" de Sábado, Domingo, Segunda-feira e Terça-feira.
O Salão Pauilona era o espaço da então esplanada/rink da Academia que recebia uma cobertura de lona. Este espaço correspondia parcialmente  ao actual cinema, uma vez que a construção deste se expandiu para área ocupada por moradias viradas para a Rua Capitão Leitão.
De salientar que destes festejos, o das crianças mascaradas,  era  feita uma reportagem fotográfica por fotógrafo almadense. Neste caso a reportagem foi realizada pela Fotal e as fotografias seriam depois expostas nas vitrines da casa fotográfica. Muitos almadenses passavam então pela loja para ver as fotografias em exposição.
A Fotal era do Faustino, um galego que se radicou em Almada e se dedicou à fotografia.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada



Fotografia das instalações dos CTT de Almada, inauguradas em Abril de 1956, na Praça da Renovação, actualmente designada por praça do MFA. Ainda funcionam no mesmo local e já foram várias vezes remodeladas.
À esquerda na fotografia vê-se a  antiga entrada do prédio e à direita o antigo café e snack-bar Arcada. A construção do prédio com a Estação dos CTT foi feita  por Álvaro Pereira que teve escritório no prédio à direita na foto ( o do café Arcada), no 1º andar. A seguir vê-se a entrada deste prédio e depois tínhamos a Radiolar - loja de Electrodomésticos.
Os primeiros serviços dos CTT em Almada foram instalados em 6 de Janeiro de 1879, segundo informação  na Rua Capitão Leitão, num edifício frente às actuais instalações da Incrível Almadense, mudando-se posteriormente para a Praça do Comércio em 1937, onde está a Fotalmada.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

A Av. Bento Gonçalves, já em fase terminal devido às obras para a implantação do comboio MST, ainda com as suas três faixas de rodagem em cada sentido. Em fundo vê-se a Rotunda do Centro Sul.
A fotografia foi feita em Maio de 2006.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Coisas de Gente Que Viveu Almada

Na imagem temos a Igreja da aldeia de Sobral Magro no concelho de Arganil com um relógio  "Cousinha - Almada", construído por "A Boa Construtora" de Manuel Francisco Cousinha, que se localizava na Rua Capitão Leitão, na vila de Almada.
Agora, que parece estar à venda ou já foi vendido o prédio onde se fabricavam estes relógios e sinos que equiparam torres de muitas igrejas e monumentos de Portugal, África e Brasil, recordamos aqui de novo este cidadão, natural do lugar de Palheiro às Pontes, aldeia de Sobral Magro, freguesia de Pomares onde nasceu em 1894 e que se radicou em Almada, onde fundou em 1930 a sua Fábrica Nacional de Relógios Monumentais  "A Boa Construtora".
Na placa afixada por cima da porta à direita, pode ler-se: "NO DIA 4 DE OUTUBRO DE 1953 FOI INAUGURADO ESTE RELÓGIO OFERECIDO POR UM FILHO DA TERRA MANUEL FRANCISCO COUSINHA GRANDE MESTRE EM RELOJOARIA".
Barril de Alva, Chãs de Égua, Dreia, Monte Frio, Moura da Serra, Pardieiros, Piódão, Pomares, Sobral Magro, Sorgaçosa e Vale do Torno são algumas aldeias do concelho de Arganil e de Portugal que têm na torre de igrejas, relógios "Cousinha-Almada ".
Manue Francisco Cousinha faleceu em Almada em 1961.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

 
Vista aérea de Almada em Março de 1965 com a ponte sobre o rio Tejo - Ponte Salazar -  ainda em construção.
Em 1º plano temos a ensecadeira para a construção dos estaleiros da Lisnave na Margueira.
 
Fotografia de Penaguião & Burnay, Lda

sábado, 9 de dezembro de 2017

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

Anverso e reverso de um cartão anúncio do muito conhecido Restaurante Gonçalves, que existiu no séc. XX no Ginjal, em Cacilhas e que integrava os afamados restaurantes desta zona ribeirinha na margem esquerda do Rio Tejo.