terça-feira, 27 de setembro de 2011

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

O Canecão, restaurante e cervejaria,que já foi e já não é.
Este restaurante viveu tempos áureos nos tempos da Lisnave e foi referência em Almada.
O anúncio é de Maio 1970 no Jornal de Almada. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Gente de Almada, Gente Que Viveu e Vive Almada



Mais uma foto da juventude dos anos 50, uma turma (1955-1956) da Escola Conde Ferreira de Almada, com a sua mestre, a Professora Maldonado.
A Escola Conde de Ferreira faz parte da memória de Almada e de suas gentes, daqueles que por lá aprenderam as primeiras letras, a tabuada e de lá sairam a saber ler e fazer contas.Uns ficaram por aqui na aprendizagem, outros prosseguiram para escolas secundárias.
Quando se fala na preservação da memória dos povos e das gentes, ocorre-nos que em Almada a Câmara Comunista tem apostado em destruir ou deixar cair em todo o concelho edifícios que deveriam ser devidamente preservados.
Foi isto que aconteceu com o edifico da Escola Feminina "do Campo", obra do Estado Novo, que esta Câmara abandonou (talvez por isso) e mandou deitar abaixo, para depois no local mandar construir outra, com um parque de estacionamento para automóveis por baixo. Foi o betonar  intensivo e extensivo de todo o terreno que integrava a Escola. 
Lamentável!

domingo, 18 de setembro de 2011

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

A "Taberna do Pancão", de José Pancão, como era conhecido pela população este estabelecimento comercial de Almada, deixou fortes recordações ainda, entre os almadenses mais velhos. Ficava na Rua Capitão Leitão ao início da Rua Dr. Julião de Campos, às Andorinhas frente à taberna do "Zé das Andorinhas".Era o último edifício do lado direito da Rua Capitão Leitão, no cabo da vila.
Este estabelecimento tinha no 1º andar um "retiro ao ar livre" onde se cantava Fado. Era o grande atractivo desta casa, principalmente aos fins de semana, sendo local de romaria de muitos almadenses e forasteiros para apreciar os petiscos, beber bom vinho e ouvir  guitarradas e fados interpretados muitas vezes por ocasionais clientes.
"A casa do Pancão" foi referência de Almada no final dos anos 40 e na década de 50 do século XX.
Este anúncio é do Jornal "o Íncrivel" de 1948.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Coisas de Almada e de Gente Que Viveu e Vive Almada

O Café Lusitano foi uma referência para muitos almadenses e famílias e, local de convivência social nos anos 50 do séc XX.
Ficava na Praça do Comércio (Mercado de Almada), no local onde hoje está o Banco Santander Totta.
Fechou para dar lugar à abertura de um banco ( cremos que ainda o Totta Aliança )
A imagem é de anúncio no Jornal Voz do Tejo 16-06-1956.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Gente de Almada, Gente Que Viveu e Vive Almada


Foto de 1942/43 de pessoal da firma José Pinto Gonçalves (armazéns de mercearias e vinhos), acompanhados de alguns familiares e amigos, participantes numa partida amigável de futebol.
O 2º a contar da direita (em pé) na foto é o Dr. José Carlos Pinto Gonçalves (advogado), filho do Sr. José Pinto Gonçalves.
A última localização destes armazéns (géneros de mercearias) foi na antiga Av. D. Afonso Henriques, onde funcionou "o Baratão".