sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Coisas de Almada e da Gente Que Viveu e Vive Almada

Lisboa, o Tejo e telhados do Ginjal, tudo visto do miradouro Luís de Queiroz (miradouro da Boca do Vento) em 1978.
Hoje, 38 anos depois, do mesmo local continuamos a observar Lisboa e o Tejo. Telhados do Ginjal já não observamos. Vemos sim, só ruínas, incúria, lixo e degradação no Ginjal.
Foi o resultado de um poder local autointitulado democrático de esquerda, arrogante e autoritário, mais interessado em manter-se no poder do que no desenvolvimento económico e turístico de Almada e do concelho.

Um comentário:

Anônimo disse...

Também não se observa actualmente no ginjal a indústria naval que nesses anos era o sustento,estabilidade e bem-estar de muitas famílias.